Abraçando histórias

No mês de julho, o Abraço Cultural São Paulo completa 5 anos, e o sucesso da nossa trajetória se deve totalmente a vocês que acreditam no nosso projeto, nos acompanham e nos apoiam em todos os momentos. Então, para comemorar todos esses anos que caminhamos juntos, a gente preparou um presente! O Abraçando Histórias é um projeto que busca mostrar quem são as pessoas que fazem o Abraço Cultural SP acontecer e o que elas têm para nos contar. E qual a melhor maneira de conhecer alguém, senão pela sua própria voz? Então, toda semana, um de nossos professores e professoras vai compartilhar com a gente uma história que traz boas lembranças e com a qual eles/elas identificam. Aqui no nosso blog vocês poderão assistir todos os vídeos e ler os depoimentos completos de cada um dos protagonistas dessa história!
Vem com a gente!

“Quando cheguei no Brasil, não era igual ao que passava na televisão”.

Yassine Benfaqyrah

“Na verdade eu queria mais sair do Marrocos. Foi uma decisão mais pessoal mesmo: lá eu morava com meus pais, não pagava aluguel e comida, e queria ter mais responsabilidade e descobrir outras culturas. Cheguei no Brasil em 2016, no Rio de Janeiro, como turista, e aí gostei muito e fiquei.

Quando eu cheguei no aeroporto, tudo estava diferente. Não era igual ao que passava na televisão: Amazônia, futebol, favela, essas coisas. Descobri outro país. Mas talvez a minha experiência trabalhando no porto, em Marrocos, me deixou mais preparado para essa mudança – eu costumava ajudar com essa parte de documentação de passageiros e marinheiros.

Foi bem difícil no começo. Era complicado para conseguir trabalho e não tinha com quem conversar. Os 6 primeiros meses realmente foram bem difíceis. Eu aprendi português muito nos bares, já que saia muito, e também descobri uma escola na Santa Cecília que dava aulas de graça e me foquei bastante em aprender a língua.

O Abraço eu conheci através da minha esposa, que é brasileira e fazia aulas de inglês lá. Um dia fomos em um Happy Hour do Abraço e ela me apresentou um professor de francês, que acabei ficando amigo. Tempo depois a gente estava conversando e ele me disse que a escola estava procurando mais professores da língua, e aí eu tentei. Mandei meu currículo, fiz algumas entrevistas e deu certo.

Uma das maiores diferenças que eu senti no Brasil foi o tamanho do país; só São Paulo já é maior que Marrocos inteiro. Mas me acostumei demais com a vida aqui. Gosto muito de passear na Av. Paulista de domingo, ir no Mercadão e na 25 de Março. Voltar para Marrocos só se for em 40 ou 50 anos, ou então de férias”.

Toda quarta-feira teremos um novo vídeo e uma nova história sobre as pessoas que fazem o Abraço Cultural SP acontecer!

Abrace você também essas histórias!

Bianca Silva, Coordenadora de Comunicação do Abraço SP