Abraçando histórias

No mês de julho, o Abraço Cultural São Paulo completa 5 anos, e o sucesso da nossa trajetória se deve totalmente a vocês que acreditam no nosso projeto, nos acompanham e nos apoiam em todos os momentos. Então, para comemorar todos esses anos que caminhamos juntos, a gente preparou um presente! O Abraçando Histórias é um projeto que busca mostrar quem são as pessoas que fazem o Abraço Cultural SP acontecer e o que elas têm para nos contar. E qual a melhor maneira de conhecer alguém, senão pela sua própria voz? Então, toda semana, um de nossos professores e professoras vai compartilhar com a gente uma história que traz boas lembranças e com a qual eles/elas identificam. Aqui no nosso blog vocês poderão assistir todos os vídeos e ler os depoimentos completos de cada um dos protagonistas dessa história!
Vem com a gente!

“Sírios e brasileiros têm muito em comum”

Wessam Alkourdi

Nasci na Jordânia, mas vivi a maior parte da minha vida em Damasco, onde meus pais nasceram, e me formei em Tecnologia da Informação. Fiz uma pós-graduação no Reino Unido e bons amigos, um deles, de Sevilha, me apresentou à música flamenca. Até hoje nas horas livres toco no violão, mas ainda não fui à Espanha. Um dia!

Depois voltei para Damasco para trabalhar numa empresa de tecnologia, mas com a guerra na Síria tinha menos possibilidades de trabalho e não renovaram meu contrato.

Eu estava procurando ideias na internet e vi uma notícia dizendo que o Brasil dava um visto especial às pessoas afetadas pelos conflitos armados na Síria e região. Eu imprimi a notícia, vesti meu melhor terno, e fui com o papel no consulado. Era o único na porta do edifício, às 7h00. O guarda perguntou o que eu fazia ali e mostrei o papel. Nunca esqueço da conversa que tivemos:

– Você está com pressa? Quer um café? – ele perguntou.

– Não, obrigada. Posso esperar, por quê? – eu disse curioso.

– Se estivesse com pressa correria atrás do visto para te entregar em cinco minutos. Mas como ainda não abrimos, podemos esperar o responsável que chega em 1h – disse o funcionário sorrindo.

Quando sai com a autorização de entrada ao Brasil em mãos vi a fila de sírios esperando. Eu tinha chegado primeiro (risos).

Cheguei em São Paulo em outubro de 2014, e os primeiros meses comecei a descobrir a cidade. Os sírios e brasileiros têm muito em comum. Gostamos de comer bem, beber e passar tempo com nossos amigos e família.

Entender o português sempre foi um desafio para mim, principalmente quando cheguei, mas encontrei brasileiros muito solícitos a me ajudar a encontrar os caminhos da cidade, nem que fosse com o Google Tradutor ou gesticulando com as mãos. Sortudos eram os dias em que eu escutava turistas falando inglês na Av. Paulista e me unia a eles.

Em 2015, soube por meio de um amigo que um grupo estava montando um curso de idiomas ministrado por refugiados que pudessem trazer suas experiências e apresentar as riquezas culturais de seus países de origem. Eu fui um dos primeiros professores do Abraço”.

Toda quarta-feira teremos um novo vídeo e uma nova história sobre as pessoas que fazem o Abraço Cultural SP acontecer!

Abrace você também essas histórias!

Bianca Silva, Coordenadora de Comunicação do Abraço SP