Orquestra Mundana Refugi:
um exemplo da nossa riqueza

O lançamento de Casa Grande & Senzala em 1933 foi um divisor de águas em como o brasileiro enxergava sua miscigenação. A ideia de miscigenação ser vista como a causa de uma raça inferior foi colocada de lado e foi dado lugar ao desabrochar da capoeira e do samba, até então marginalizados.

Gilberto Freyre teve um papel importante em mostrar ao brasileiro que o que fora no passado apontado como desafio social era, na verdade, a nossa grande riqueza. Assim como o lançamento do livro acima citado teve um papel fundamental em nosso país, hoje estamos tendo a oportunidade e o privilégio de enriquecermos ainda mais nossa cultura através de novos imigrantes. Apesar de os motivos dessa migração serem tristes, a concessão de refúgio e a integração dessas pessoas podem significar um aumento da nossa riqueza cultural e ganharmos mais valor em um mundo cada vez mais globalizado.

Entre ações que estão sendo feitas pela própria ACNUR (Alto Comissariado das Nações Unidas), outras ONGs ou pelos próprios refugiados, destaca-se a criação da Orquestra Mundana Refugi, um grupo formado por imigrantes de diversos países. Assistindo um de seus vídeos no Youtube, você rapidamente percebe que os integrantes do grupo conseguiram transformar sua experiência triste de terem sido forçados a abandonarem seus países, em uma química musical que encanta qualquer ouvinte. A orquestra tem direção musical de Carlinhos Antunes e traz temas tradicionais da Palestina, Irã, Guiné, Congo e Brasil.

A orquestra, idealizada por Carlinhos Antunes, foi criada em São Paulo e já conta com inúmeros admiradores pelo país. É um grupo que, pela sua origem e alma, foi criado para ser grande, não somente para trazer música e leveza aos nossos dias, mas lembrar da grandeza que temos como nação e da grandeza que podemos ter como mundo, agregando e abraçando seus integrantes como se fossem parte da nossa família.

O grupo já tem músicas em plataformas de streaming, como o Spotify, e um canal no Youtube. Para conhecê-los, dê uma olhada na gravação de As Caravanas (Chico Buarque). Os shows da banda são postados na página do Facebook. Com tantos casos de intolerância crescendo na sociedade, é lindo ver uma integração cultural como essa, capaz de trazer novas vozes, novos sons, ritmos e uma mentalidade de que a diversidade só tem a agregar à nossa cultura.

Fonte: Página Orquestra Mundana Refugi no Facebook.

 

Formado em Relações Públicas e em Gestão em Hospitalidade Internacional pela University of Derby, Inglaterra. Trabalhou com mercado hoteleiro por 14 anos, no Brasil e no exterior. Estudou artes cênicas e possui poesias lançadas no livro Sonhos ao Vento II, publicado pela secretaria de educação do Rio de Janeiro. Morou em diversas cidades como Porto, Londres, Buxton, Manchester, Dornoch e Florianópolis. Atualmente mora no Rio de Janeiro e se dedica aos estudos à carreira diplomática.
Thiago Martins, Comunicador Voluntário do Abraço RJ
2018-10-19T15:26:21+00:00