fbpx

Afinal, o que é o Ramadã?

Milhões de muçulmanos em todo o mundo deram início ao Ramadã este ano no mês de maio. O período marca um mês de intensas orações, jejum do amanhecer ao anoitecer e cerimônias de desjejuns noturnos. Aqui estão algumas explicações e relatos dos nossos professores sobre o mês mais sagrado do Islã:

Em muitos lugares pelo mundo, os muçulmanos estarão olhando para os céus durante a noite. Eles estarão interessados em saber se poderão ver a Lua crescente. Se ela estiver visível, este será o sinal para o início do mês de Ramadã (na maiorias dos países, as autoridades farão uma proclamação sobre o início do Ramadã). Nenhum jejum começa até o dia seguinte pela manhã. Assim, os muçulmanos acordam cedo para tomar seu café da manhã antes do sol raiar. Depois disso, não comerão ou beberão nada até que a noite venha. Esta é a experiência diária pelos próximos 30 dias.
O Calendário Islâmico é baseado no ciclo lunar. O mês de Ramadã é o nono mês do ano e começa com uma combinação da lua nova e de cálculos astronômicos. O tempo exato do Ramadã às vezes varia de local para local. Um Imã (sacerdote muçulmano) irá declarar o tempo exato do Ramadã antes do seu início. O período de jejum termina com a aparição da próxima lua nova, que ocorre após 29 ou 30 dias.
Segundo a religião do Islã, o jejum tem como objetivo principalmente aproximar os fiéis de Deus e lembrá-los do sofrimento dos menos afortunados.

O Ramadã é um tempo para se separar dos prazeres mundanos e focar no seu eu interior. É visto como uma maneira de se purificar física e espiritualmente, abstendo-se de hábitos como fumar, fazer sexo e ingerir cafeína. Muitos muçulmanos costumam doar para instituições de caridade durante o mês e alimentar os famintos. A maioria passa mais tempo em mesquitas durante o Ramadã e usam seu tempo de inatividade para recitar o Alcorão. O jejum durante o Ramadã é um dos cinco pilares do Islã, juntamente com a declaração de fé muçulmana, a oração diária, a caridade e a realização do Haj.

Como o Ramadã é feito?
Os muçulmanos se abstêm de comer e beber do amanhecer ao anoitecer durante todo o mês do Ramadã. Um único gole de água ou uma baforada de cigarro seria suficiente para invalidar o jejum. No entanto, estudiosos muçulmanos dizem que não basta evitar alimentos e bebidas durante o dia. O Ramadã também é um exercício de autocontrole. Os muçulmanos são encorajados a evitar fofocas e discussões. O intercurso sexual entre os cônjuges também é proibido durante o jejum diurno. Pouco antes do jejum, os muçulmanos fazem uma refeição antes do amanhecer de alimentos energéticos para consegui-los durante o dia, o “suhoor”.
Os muçulmanos tradicionalmente quebram seu jejum como o Profeta Mohammad o fez há 1.400 anos, com um gole de água ao pôr do sol. Depois das orações do pôr-do-sol, um grande banquete conhecido como “iftar” é compartilhado com familiares e amigos. O Iftar acaba se tornando um evento social. Todas as noites do Ramadã, mesquitas e organizações humanitárias montam barracas e mesas para que o público tenha refeições iftar gratuitas.
Crianças, idosos, pessoas doentes, mulheres grávidas, amamentando ou menstruadas, e pessoas viajando, que podem incluir atletas durante os torneios, podem ser isentos de fazer o Ramadã.

Algumas tradições do período:
Normalmente, o começo do Ramadã é iniciado com a saudação de “Ramadan kareem!” Outra característica marcante do é a oração noturna na mesquita entre os muçulmanos chamada “taraweeh”. Os egípcios têm a tradição de lanternas do Ramadã chamadas de “fanoos”, que muitas vezes são colocadas no centro de uma mesa de iftar ou vistas penduradas em vitrines e varandas. Enquanto o Ramadã é uma benção para os varejistas do Oriente Médio e do Sul da Ásia, críticos dizem que o mês sagrado está se tornando cada vez mais comercializado. Estudiosos também foram perturbados pela proliferação de programas televisivos noturnos durante o Ramadã. No Paquistão, os shows ao vivo dão presentes promovendo seus patrocinadores. No Mundo Árabe, novelas de um mês de duração estrelando  os atores mais famosos, arrecadam milhões em publicidade.

O fim do Ramadã é marcado por intensa adoração, à medida que os muçulmanos buscam ter suas orações e pedidos realizados durante “Laylat al-Qadr” ou “a Noite do Destino”. É nesta noite, que cai durante as últimas 10 noites do Ramadã dependendo do ano, que os muçulmanos acreditam que Deus enviou o Anjo Gabriel ao Profeta Mohammad revelando o primeiro verso o Alcorão. O fim do Ramadã é comemorado por um feriado de três dias chamado Eid Al-Fitr. As crianças muitas vezes recebem roupas novas, presentes e dinheiro. Os muçulmanos comparecem às preces matinais do Eid no dia seguinte ao Ramadã e muitas famílias passam o dia em parques e comendo – agora durante o dia.

Alguns relatos dos nossos professores/as:

Tülin | Professora do Abraço RJ

” O Ramadã pra mim é um mês que pode ter seu lado bom e lado ruim. Desde criança eu fui ensinada que preciso jejuar, e acho que eu fiz isso porque todos os meus amigos na escola jejuavam e eu não queria ser diferente, portanto eu acho que esse hábito traz uma sensação de ser incluída, uma sensação importante para nós como humanos.
Outra razão pela qual eu fazia jejum durante o Ramadã quando era criança era a minha mãe, pois ela adora esse mês e gosta de fazer comida e comer comigo, pois meu pai não jejuava, então eu jejuava pensando na minha mãe, não em Deus ou religião.
O lado ruim é que, a meu ver, as pessoas ficam muito grossas e acham que praticar jejum pode justificar toda besteira que eles fazem, e tentam tirar a liberdade de quem não quer jejuar, não querendo que as pessoas comam na rua por exemplo.
Por fim, Ramadã pra mim é também ver minha mãe feliz vendo novelas, pois nesse mês todas as novelas são lançadas.”

Wessam | Professor do Abraço SP

“Ramadã para mim é o mês de misericórdia e do perdão, eu gosto da atmosfera desse período, especialmente com outros compartilhando esperança e alegria. É interessante quando as pessoas e principalmente estudantes me pedem para encontrar respostas para sua curiosidade, pois é uma forma de também ensiná-los sobre minha cultura.”

Mohammed | Professor do Abraço RJ

“No campo espiritual para os muçulmanos é o mês mais sagrado do ano, nele concentram-se as adorações e orações e uma compreensão melhor da religião. No campo social, há a prática de se perdoar o outro, da tolerância, paciência, solidariedade, fraternidade e harmonia social… É também visível a intensa ação social colectiva de ajudar aos pobres e necessitados e de combater a exclusão social. Sem dúvida ao sentir sede e fome sabendo que no final de dia teremos o que comer é natural que se indague sobre aqueles que vivem sempre com falta de alimento. Nos países Árabes, é visível diariamente nas avenidas principais de seus bairros e cidades, quando se aproxima se horário de por do sol, a quebra de jejum em muitas mesas coletivas gratuitas oferecidas aos que passam naquela hora, sejam ricos, pobres, com ou sem identificação daqueles que estão oferecendo tais refeiçoes, Estas mesas são chamadas das “mesas do misericordioso”.
No campo de saúde: o mês do Ramadã é um mês de limpeza e recuperação de vários tecidos e órgãos do corpo humano, eliminando substâncias indesejáveis e prejudiciais que se acumulam durante o ano. Órgãos como intestino, estômago, e figado terão uma média de 15 horas de descanso por dia. O corpo fica mais leve. A respiração torne-se mais profunda. As taxas de colesterol caim e o entupimento dos vasos sanguíneos por gorduras se reduz bastante durante o mês de jejum. Aos fumantes é proibido o hábito de fumar durante o jejum, assim, vários aguardam a chegada Ramadã para aproveitar e tentar parar definitivamente de fumar.”

Adel | Professor do Abraço RJ

“Já fiz o ramadã algumas vezes quando era criança, mas parei depois. Na verdade eu não acho muito saudável… Mas acho muito legal que as pessoas em geral ficam mais generosas, tem uma tendência a serem mais legais, porque é o mês mais religioso do islamismo. Acho interessante também que a vida toma uma forma muito mais noturna. Por exemplo, a maioria dos comércios abre mais a noite, e não durante o dia. As pessoas dormem mais tarde, acordadas até bem tarde da noite, as escolas ficam mais devagar, algumas tem menos dias de aula ou fazem algum recesso durante o Ramadã…
Acho legal a idéia de na hora da quebra de jejum, mais ou menos 17/18h, não tem ninguém na rua, mas se alguém estiver atrasado, no ônibus ainda chegando em casa, ou na rua, há o hábito de mesmo entre estranhos se compartilhar comida. Tâmaras, um suco, uma coisa assim, para não ficar sem comer até chegar em casa. Nesse horário as ruas ficam bem vazias, mas um pouco mais tarde o movimento já volta.
Geralmente as comidas de quebra do jejum são bem saudáveis, sopas, sopa de lentilha, muito boa, e outras comida deliciosas também!”

Hadi | Professor do Abraço RJ

“Ramadã é um mês de jejum para os muçulmanos e segue o calendário lunar muçulmano, quando aparece a lua, começa o jejum. Depende de um país para outro quantas horas por dia e as pessoas além de não comer e beber, são mais religiosas, mais boazinhas, querem fazer mais o bem. O clima fica mais agradável, isso é uma parte legal do Ramadã. Mesmo sendo só por causa do mês que as pessoas mudam, fica legal. Todo mundo para pra comer no mesmo horário, a cidade vive mais a noite. Tem muitas novelas, é o mês de lançamento das novelas. Mais para o final do Ramadã vem o Eid, a comemoração do fim do mês sagrado, que é bastante interessante também, algo parecido com o Natal aqui no Brasil.”

Elham | Professora do Abraço SP

“O Ramadã é um mês sagrado do islamismo no qual os muçulmanos devem jejuar e a razão disso é mostrar a sua devoção a Allah (Deus) e para que as pessoas se guardem contra pecados e demônios. O jejum inclui abstenções de comida, água, sexo, violência, fumo e quaisquer outros pecados. O jejum começa todos os dias da aurora do sol ao pôr do sol, portanto o número de horas difere de um país ou lugar para outro. Também segue o calendário lunar, assim, por exemplo: o Ramadã começou no Brasil, Egito, Arábia Saudita e outros países em um dia diferente do que o dia começou em Marrocos, Omã, e outros por causa da lua crescente. Então o mês começa e termina de acordo com a fase da lua também.
Por que precisamos fazer jejum de alimentos, água, etc? Não é uma tortura, mas um treinamento para o espírito que, se você pudesse treinar sobre a manutenção das suas necessidades diárias mais importantes, seria muito mais fácil para você se prender aos pecados, se você tentar fazer caridade e ter um bom relacionamento com parentes, perdoar as pessoas, no final do mês você vai sentir que você está curado de todos os pecados e fardos e que você está mais espiritual do que antes. No Ramadã há uma noite entre nos últimos 9 dias que é chamada de noite do poder, Leilat Alqadir. Esta noite foi a qual o Quaraan foi revelado e os muçulmanos acreditam que é a noite na qual você pode rezar e fazer um pedido a Allah. Se você praticar o Ramadã, sentirá que tudo é diferente, a atmosfera muda e você se sente calmo. Apenas muçulmanos saudáveis ​​e que passaram pela puberdade é obrigatório jejuar, se você está doente ou criança ou você tem que viajar, pode ser isento de se fazer o jejum. Também mulheres que estão menstruadas não são obrigadas a jejuar. A ciência provou que o jejum é bom para a saúde, pois é uma chance para nossos corpos de regulação intestinal e descanso em um círculo muito organizado e para ficar limpo de qualquer veneno ou comida desnecessária.”

Continue nos acompanhando para descobrir novas referências culturais! 😉

Roberta Sousa, Coordenadora de Comunicação do Abraço RJ
2019-06-04T14:07:38+00:00